A Intérprete

by - quinta-feira, novembro 21, 2019



Tendo como pano de fundo os julgamentos de Auschwitz, este sucesso internacional de Annette Hess conta uma história arrebatadora sobre uma jovem disposta a enfrentar a família e a sociedade para expor as verdades mais sombrias de sua nação. Para Eva Bruhns, a Segunda Guerra Mundial é apenas uma memória nebulosa da infância. Ao fim dos conflitos, Frankfurt estava arruinada, vítima dos bombardeios dos Aliados. Agora, em 1963, a cidade está totalmente reconstruída e Eva espera, ansiosa, pelo pedido de casamento do namorado rico, sonhando com uma vida longe dos pais e da irmã. Porém, seus planos são alterados quando o impetuoso advogado David Miller a convoca para atuar como intérprete nos julgamentos do campo de concentração de Auschwitz. À medida que se envolve com as testemunhas polonesas, Eva começa a questionar seu futuro e o silêncio da família sobre a guerra. Por que os pais se recusam a falar sobre o que aconteceu? Ela ama mesmo o namorado e será feliz como uma dona de casa?Determinada a fazer justiça, Eva se une a um time de promotores empenhado em condenar os nazistas – uma decisão que mudará o presente e o passado de seu país.
📖Skoob 👍Avaliação Final:   

Histórias que se passam durante a Segunda Guerra Mundial, sempre acabam chamando a atenção. Talvez isso se deva ao fato que apesar de tanto tempo ter se passado e por mais que a gente tente entender como as coisas chegaram naquele ponto, ainda é difícil acreditar que tudo foi real, e o pior ainda é ver que tal realidade não está assim tão distante de nós. 

No entanto, seus olhos costumavam mostrar uma expressão inquieta, como se esperasse que uma catástrofe se abatesse sobre ela a qualquer momento. Eva desconfiava que aquilo assustava os homens. 

A Intérprete é o primeiro romance de Annette Hess, e foi publicado aqui no Brasil pela Editora Arqueiro. Com 272 páginas o livro poderia muito bem ser um chick lit daquelas que a gente pode negar algumas vezes, mas adora, porém, aqui o que poderia ser uma comédia romântica tem como plano de fundo o julgamento de  Auschwitz, detalhe esse que traz mais profundidade para história nos fazendo refletir em como muitas vezes vivemos alheios as atrocidades que são cometidas todos os dias seja em nossa cidade, estado, país ou no mundo. Quantas vezes desligamos a TV por não aguentarmos ver tanta tragédia, mas nos esquecemos que para quem as vive é uma dor diária e que muitas vezes segue sem punição a quem as aflige?

E Eva, que com frequência nem sabia o que queria, não tinha nada contra se deixar ser conduzida. Na dança como na vida.

A sinopse já nos dá uma noção  do que esperar da história, por este motivo não vou falar muito sobre o que acontece detalhe por detalhe, justamente porque a graça é ir descobrindo como os acontecimentos descritos na sinopse irão se desenrolar. 
O livro se divide em 4 capítulos, detalhe esse que pode incomodar um pouco, já que eles são longos. O primeiro é um pouco arrastado em sua primeira metade, mas depois que compreendemos alguns detalhes a leitura fluí de maneira rápida, ainda que o livro tenha um tema delicado e difícil de digerir.    

No campo de concentração, a noite, outro prisioneiro me mostrou uma coluna de fumaça no horizonte. Ele disse: olhe, sua mulher e seu filho estão subindo para o céu.

Após o quarto capítulo há uma nota final onde a autora fala um pouco sobre seu processo de pesquisa e o fato de apesar de termos aqui uma obra ficcional uma situação real foi usada como base para sua criação, assim como nos diz que ela utilizou citações literais de 6 participantes do processo, o que torna tudo mais impactante. 

Narrado em terceira pessoa o livro A Intérprete nos leva a conhecer uma parte da história que poucos conhecem, mas que teve um grande impacto nos dias atuais, ainda que o foco maior seja protagonista Eva e como suas novas descobertas participando como intérprete no julgamento Auschwitz impacta em sua vida até então comum e pacata.

Annette Hess criou uma boa história e possui uma escrita que prende a atenção de quem lê, por ser seu primeiro livro ela está de parabéns. Mas como nem tudo são flores há alguns detalhes da trama que ficaram em aberto que fizeram o livro não entrar na lista de 5 estrelas, mas é claro, isso é algo bem pessoal. Ainda assim A Intérprete é um livro que recomendo para quem gosto de livros que tenham a Segunda Guerra Mundial como tema ou que procuram uma leitura que agregue um por mais de conhecimento e reflexão. 




Você pode gostar também

4 comentários

  1. Sabe aquele livro que você olha a capa e acha que a história e totalmente diferente? Eu vi esse livro no Instagram e não sei muita bola sabe? Mais agora eu estou louca para ler. Adoro livro reflexivos, acho que um livro que te faz pensar d verer alguns pontos e essencial e deve ser compartilhado. Adorei a resenha. Completa sem dar spoiler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia esse livro mas já fiquei curiosa em relação a ele. A capa é muito bonita, não perece que o livro é sobre o julgamento de Auschwitz.
    Ótima resenha :)

    ResponderExcluir
  3. Livros e filmes sobre a segunda guerra mundial sempre me chamam a atenção também! Já vou salvar esse aqui, por que depois da resenha fiquei afim de ler <3

    ResponderExcluir
  4. Gente, NUNCA pensei que essa seria a temática do livro olhando pela capa... Surpresa agradável demais! Achei interessante porque se passa num cenário pesadíssimo e ao mesmo tempo tem essa história da protagonista com seus próprios dilemas pessoais. Gostei! Obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique à vontade para comentar. Obrigada pela visita e volte sempre!

Instagram