Não menospreze a dor do outro

by - quarta-feira, maio 15, 2019


Já faz tempo eu venho pensando sobre esse assunto: menosprezar a dor do outro. Sabe aquela história de chegar e dizer que o outro é dramático? Que está exagerando? Reclamando de barriga cheia?
É, essas e outras palavras falamos todos os dias, de pessoas diferentes. Às vezes para o próprio amigo, com aquela boa intenção de ajudar, fazê-lo acordar para a vida, reagir. Outras vezes, falamos ao léu, nos corredores, com terceiros... fofocando, na verdade.



Coisa triste essa. 

No final das contas a única coisa que a gente está fazendo é menosprezar, não somente a dor, como o outro por inteiro.
Vamos combinar: a dor é de quem? Quem é que sentiu, que passou por aquilo?
Toda dor é uma dor. Na minha opinião não existe essa de dor pequena, grande e mais ou menos. Nem pessoas pequenas, fracas ou fortes. Creio que exista problemas mais difíceis de serem resolvidos, coisas que não tem o que fazer. E momentos em que estamos melhores, mais fortes, mais preparados que outros.


Cada problema tem suas soluções. Uma coisa pequena a gente pode resolver rápido. Às vezes um simples abraço cura uma dor. Uma conversa amiga. Uma troca de favor. Outros são necessários tratamentos médicos, advogado, uma mudança radical... Mas uma coisa é certa: toda dor precisa de cuidados.
É tipo um machucado: um corte pode precisar de uma pomada, outros de uma vacina, alguns precisa levar uns pontos. No fim, se bem cuidado, fica tudo bem. Um pequeno corte, se não cuidar, infecciona e aí complica.


Quando me peguei pensando nisso refleti tanto, lembrando de quantas vezes falei isso do outro. Da mesma forma que já ouvi. E quando é com a gente que pesa. né? Quantas vezes tive uma dor, quis conversar e acabei guardando? E quando já fui conversar e ganhei um abraço bom? Toda diferença, né?
Não que esteja aqui dizendo que a gente tem que dar importância às dores, fazer drama e ficar dias remoendo, se fazendo de vítima. Só sei que a gente precisa saber ouvir o próximo.



Um amigo te chamou para conversar? Quer desabafar? Aparece! Empresta seu ombro, seus ouvidos, seja amigo e solidário. Tem frases que são tão lindas e importantes, como: te entendo. Tamu juntu! Um incentivo para um acompanhamento psicológico, se achar necessário. Acompanhá-lo naquele lugar que ele precisa ir. Conversar com quem o machucou para tentar amenizar o problema... qualquer coisa. Só não menospreze a dor do outro.


Se a gente olhar os casos de suicídio, depressão e tentativas, procurar saber, aparentemente não tinha nada. E quase todos eles não tinham com quem conversar. As campanhas de prevenção ao suicídio todas dizem sobre conversar, contar seus problemas. Temos o CVV, com número, chat gratuito na internet, só entrar e conversar.
Não dá para ninguém ficar sozinho, até porque aquela dor pequena, que a gente menospreza pode ser estar sozinha. Se somar tantas pequenas dores se torna uma grande bola, que só aumenta.

Não dá mesmo para menosprezar essas dores, cada um sabe de si, não há competição de problemas. Precisamos nos unir mais, sermos amigos, nos ajudar e ouvir uns aos outros. A pessoa está fazendo muito drama, só fica reclamando? Você já ajudou, já deixou por conta dela, ofereceu sua mão? A parte foi feita.


Acredito que assim deixaremos um mundo mais bonito.
Vocês concordam? Vamos conversar cada vez mais :)
Ah, e se precisar, liga para o 188, número do CVV.
Beijos no coração!!


Você pode gostar

0 comentários

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique a vontade para comentar. Obrigada pela visita! Volte sempre.