Entrevista Graciela Paciência

segunda-feira, abril 24, 2017


Recentemente compartilhei aqui no blog a resenha do livro Confissões de uma adolescente grávida e não sei vocês, mas quando eu terminei um livro e ficou me perguntando como será que foi para o autor escrever aquela história, como surgiu a ideia, quem são suas referencias e por aí vai. Pensando nisso  hoje trago uma entrevista com a autora do livro, para vocês conhecerem um pouco dos bastidores, da pessoa por trás do da história. Vamos conferir!?

1) Primeiramente gostaríamos de agradecer a oportunidade desta entrevista. Graciela nos conte como surgiu a ideia para escrever Confissões de uma adolescente grávida? 

Eu que agradeço a possibilidade de mostrar o meu primeiro trabalho. Incentivar escritores iniciantes é fundamental. Eu sempre tive vontade de escrever, mas não tinha tentado nada até o início de 2014. Achava que não tinha talento e imaginação para isso, mas durante uma conversa com uma amiga a ideia inicial surgiu e eu me perguntei "Por que não?"

2) Como foi o processo de publicação? Nos conte como foi o processo de busca por uma editora? Você pensou em desistir de publicar?

Bom, eu tive sorte na busca pela editora porque Círculo das Artes foi fundada por uma grande amiga dos tempos de escola, a Elis Nunes, então quando eu decidi que ia publicar um livro já era certo que seria com ela. Eu pensei em desistir em dois momentos: quando "travei" no meio da história e fiquei em dúvida entre os caminhos para chegar ao final; quando o livro já estava praticamente na gráfica deu um friozinho na barriga, eu questionei a relevância do que estava fazendo e pensei em cancelar tudo, mas segui em frente.

3) A história do livro se passa em grande parte no ano de 2011, você acredita que houve uma evolução no pensamento e nas atitudes das pessoas em relação a gravidez na adolescência, ou as coisas continuam igual? 

Olha, eu cursei o ensino médio entre 2001 e 2003, vi diversas garotas da escola engravidarem durante esse processo e acredito que nesses 16 anos pouco do preconceito foi desconstruído. Talvez, o que ocorra hoje seja uma aceitação maior (o julgamento e o preconceito continuam lá) e, mesmo assim, projetos colaborativos de incentivo como o Mães no ENEM & Mães na Universidade, idealizados pela jornalista Fernanda Vicente, são de grande importância porque é comum vermos um parente se recusar a cuidar de uma criança por poucas horas por dia para que a mãe adolescente possa estudar. Essa atitude é tomada como se a punição pela garota ter transado fosse perder a oportunidade de construir um futuro digno para ela e para o filho, mas aí a mãe não pode estudar e não consegue um emprego que lhe proporcione recursos necessários para uma boa educação para a criança, que vai crescer sem muita perspectiva.

4) Qual foi o livro que despertou seu interesse pela leitura e aquele que você leu e te fez querer contar histórias? 

Ai, essa pergunta é difícil porque eu tenho o hábito de ler desde pequena. rsrsrs Acho que o primeiro livro que despertou minha curiosidade foi "A Hora do Amor", de Álvaro Cardoso Gomes. É narrado por um personagem masculino e o legal é que autor escreveu a história também do ponto de vista da garota, "O Diário de Lúcia Helena". Logo depois, eu me vi fissurada pela série Os Karas, escrita pelo Pedro Bandeira. O livro que me fez querer escrever foi "Depois Daquela Viagem", da Valéria Piassa Polizzi, que conta a história de uma jovem que descobriu no começo dos anos 1990 que tem AIDS. Eu considero este um livro essencial para todos os adolescentes e o cito no "Confissões de Uma Adolescente Grávida".

5) Na hora da escrita o que te inspira? Quem são seus autores favoritos?

Bom, eu sempre escrevo ouvindo música. Acho que a inspiração pode vir de diversos lugares. No meu caso, é um pouco do meu convívio com outras pessoas, muita música e imaginação. Os meus escritores favoritos são o Stephen King, Raphael Montes, André Vianco, Ian McEwan, Agatha Christie e Gillian Flynn, mas eu leio vários outros também.

6) Qual dica você daria para quem tem o sonho de publicar um livro? E na sua opinião qual é a dica de ouro na hora da escrita? 

 A minha dica é ler muito e variar os autores e temas, até achar o seu segmento, o que pode surpreender. Eu, por exemplo, adoro suspense policial, mas me sinto mais à vontade falando sobre dramas adolescentes. A dica de ouro é: permita-se visitar a história como leitor de tempos em tempos.

7) Se seu livro fosse adaptado para o cinema quais atores você gostaria que dessem vida aos personagens? E qual seria a trilha sonora?

Essa pergunta é engraçada porque eu não tinha pensado nos atores, mas sim na direção. Gostaria que a Marina Person ou a Laís Bodansky dirigisse. No elenco, seria demais se a Alice Wegmann (a Cecília, da minissérie "Ligações Perigosas) interpretasse a Mirella, o Dylan Minnette (o Clay, de "13 Reasons Why") ficasse com o papel de Fabrício e a Aline Dias (a Joana, de "Malhação") fizesse a Agatha. O livro tem playlist no Spotify, é #CDUAG, e no youtube também: trilha sonora.

8) Podemos esperar um novo livro em breve? E sobre qual tema você gostaria muito de escrever?

Tenho ideias para dois livros, e elas já possuem começo, meio e fim, mas ainda não consegui sentar e colocar as ideias no papel. Além disso, quero trabalhar mais o "Confissões...", mas posso adiantar que a protagonista da próxima história se chama Luana e seu relato começa em 1997, passa por 2007 e acaba em 2017. A outra ideia é escrever a história da irmã da Mirella, a Júlia. 
Eu gostaria de falar ainda mais sobre as relações humanas, encontros e desencontros, problemas com drogas e diversos fatores que podem surgir na adolescências e na juventude.

9) Um livro, um filme, uma música, um lugar e uma pessoa que marcaram sua vida de alguma forma?

Livro: "Na Praia", Ian McEwan; filme: "Não me Abandone Jamais"; música: "Without You I'm Nothing", Placebo; viagem: Foz do Iguaçu; uma pessoa: Márcia, minha professora de português no ensino médio.

10)  E para finalizar gostaríamos de agradecer novamente pela entrevista e pedir para que você deixasse uma mensagem para nossas leitoras e leitores.

Agradeço mais uma vez a oportunidade de mostrar meu primeiro trabalho como escritora.
Galera, aproveitem a diversidade literária que estamos vivendo. Hoje podemos prestigiar diferentes escritores, com temas e segmentos próprios, tentem explorar ao máximo essa riqueza.

Beijos.

Se você gostou da entrevista não deixe de conferir a resenha do livro, assim como outras entrevistas que já fizemos aqui no blog.

Você Pode Gostar Também

15 comentários

  1. Oi.
    Não conhecia a autora e nem o livro, mas fiquei feliz em ler a entrevista e ver que apesar do seu medo é insegurança ela não desistiu.
    E acredito que toda história tem relevância para o leitor.
    Amei a entrevista.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá! Não conhecia o livro e nem a autora. Mas foi um tema interessante abordado. Parabéns pela entrevista. Beijão

    ResponderExcluir
  3. A parte por trás dos livros é realmente um mistério né. Fico pensando como a pessoa pensou isso, como conseguiu dar vida ao personagem de forma tão interessante.
    Escrever um livro e um misto de incerteza e insegurança. E além disso requer muita dedicação.
    Não conhecia o livro ou a autora, adorei a proposta de conhecer um pouco mais das inspirações para o livro.

    ResponderExcluir
  4. Eu gosto bastante do tema que ela aborda no livro, sempre me pergunto como é a vida uma mãe adolescente.
    www.agendaleatoria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Nossa Ane!! Que legal essa entrevista. Não conhecia a autora e nem o livro e é bom que a gente acaba conhecendo um pouquinho. Adorei saber mais sobre o livro, já vou comprar para ler.

    ResponderExcluir
  6. Que legal, também não conhecia o livro nem a autora, mas já me deu vontade de ler. Achei super interessante o tema que ela aborda e com certeza será minha próxima leitura.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia a autora, mas me interessei muito por esse livro e gostei muito da entrevista.

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia o livro e nem a autora. Adorei a temática do livro apesar de não possar por uma situação assim tenho uma prima que está passando e será uma indicação de leitura que com certeza, já que é uma situação comum. A entrevista e a resposta foram muito bem elaboradas e fez com que o post fosse fluído.

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o livro, mas essa entrevista me deixou muito curiosa para lê. Realmente é uma coisa que acontece demais(meninas engravidarem cedo).Vou procurar esse livro!

    ResponderExcluir
  10. Oiee!
    Não conhecia o livro, mas achei muito interessante.
    Eu terminei o ensino médio, mas vi muitas jovens engravidando, também. Umas desistiam, mas a maioria continuou estudando.
    Parabéns pela entrevista!

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro nem a autora, a entrevista despertou a vontade de ler, amo esse tipo de história!

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia. Mas gostei muito da entrevista.É muito triste essa realidade das Adolescente engravidarem mais cedo...
    Gostei muito da entrevista parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  13. Que interessante essa entrevista, ainda não conhecia a autora. Gostei bastante das perguntas e respostas. Muito bom conhecer o trabalho dela, desejo muito sucesso. E boa sorte com o blog, bjooo

    ResponderExcluir
  14. Confesso que infelizmente não conhecia a autora nem o livro mas me pareceram bem interessantes, principalmente por se tratar de algo que irá desconstruir o preconceito que ainda existe sim e com muita força. Ótimo post. Beijocas. ♥

    Sorriso Jovem

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia essa autora, adorei a entrevista e o assunto do livro!! Já me interessei <3

    https://entregalaxiasblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique a vontade para comentar. Obrigada pela visita! Volte sempre.