Mas Tem Que Ser Mesmo Para Sempre? | BEDA 17

by - sexta-feira, agosto 17, 2018



De uma forma divertida, Sophie Kinsella nos mostra que as pessoas que mais conhecemos são aquelas que também mais podem nos surpreender. 
Juntos há dez anos, Sylvie e Dan compartilham todas as características de uma vida feliz: uma bela casa, bons empregos, duas filhas lindas, além de um relacionamento tão simbiótico que eles nem chegam a completar suas frases – um sempre termina a fala do outro. No entanto, quando os dois vão ao médico um dia, ouvem que sua saúde é tão boa que provavelmente vão viver mais uns 68 anos juntos... e é aí que o pânico se instala. Eles nunca imaginaram que o “até que a morte nos separe” pudesse significar sete décadas de convivência. Em nome da sobrevivência do casamento, eles rapidamente bolam um plano para manter acesa a chama da paixão: de um jeito criativo e dinâmico, passam a fazer pequenas surpresas mútuas, a fim de que seus anos (extras) juntos nunca se tornem um tédio. Porém, assim que o Projeto Surpresa é colocado em prática, contratempos acontecem e segredos vêm à tona, o que ameaça sua relação aparentemente inabalável. Quando um escândalo do passado é revelado e algumas importantes verdades não ditas são questionadas, os dois – que antes tinhas certeza de se conhecerem melhor do que ninguém – começam a se perguntar: Quem é essa pessoa de verdade?...”. Um livro espirituoso e emocionante que esmiúça os meandros do casamento e que demonstra como aqueles que amamos e achamos que conhecemos muito bem são os que mais podem nos surpreender.
📖Skoob 👍Avaliação Final: ✩ ✩ 


Este é o meu primeiro contato com a escrita da Sophie Kinsella, a autora do Os Delírios de Consumo de Becky Bloom, que até já foi adaptado para o cinema. Sophie   é conhecia por sua escrita espirituosa e divertida, porém tenho que admitir que não encontrei neste livro tais características e minha experiencia durante a leitura não foi como o esperado. 

A vida já nos presenteia com uma quantidade suficiente de imprevistos. Para que buscar mais?

Sylvie e Dan  estão juntos a 10 anos e são o exemplo de um casamento feliz, eles possuem uma afinidade tão grande que chega a assustar. Porém depois de uma ida ao médico ele descobrem que possuem uma saúde tão boa que provavelmente vão viver mais uns 68 anos juntos... e é aí que o pânico se instala e as confusões começam. 


Aos trinta e poucos anos Sylvie e Dan acreditam ter uma vida praticamente perfeita, porém quando se deparam com a possibilidade de passarem dos 100 anos de idade bate um desespero se eles fizeram as escolhas certas. Será que eles não casaram cedo de mais? Será que eles realmente são as pessoas certas um para o outro? E quando esse tipo de dúvida começa a surgir Sylvie teme pelo fim de seu casamento e decide colocar em prática  o Projeto Surpresa, ainda que sua melhor amiga lhe avise que nem sempre as surpresas terminam bem. 

Ela está disposta a não deixar o relacionamento cair na rotina e coloca o Projeto em ação junto com o marido, porém o que parecia um plano inofensivo acaba saindo do controle. Logo Sylvie se vê preocupa com um antigo amor de Dan, e se ele está ou não a traindo. 

Na verdade, sabe o que era realmente engraçado sobre mim e Dan? É que eu pensava que o conhecia bem demais - Solto uma risada triste. - Pensava que fôssemos unidos demais. Queria que ele me surpreendesse. Bem, adivinhe só, ele me surpreendeu. 

Sylvie teve uma infância privilegiada  e regada a alguns luxos. Ao se casar com Dan seu padrão mudou um pouco, ainda que tenha uma vida confortável. Ela sempre teve a sensação de que o marido se sentia ofuscado por seu pai, que era uma figura ímpar, com uma beleza extraordinária, uma alma gentil, seu pai era o próprio sol, e as demais pessoas apenas orbitavam ao seu redor buscando um pouco de sua atenção. Para ela Dan se ressentia por não ter tanto dinheiro quanto seu pai, nem possuir todo o carisma e qualidades.  A pior parte é que o o pai de Sylvie morreu no auge de sua vida pessoa, profissional tornando impossível alguém supera-lo aos olhos da filha e da sociedade. 

Porém quando a paranoia se instala e Sylvie começa a buscas pistas sobre a traição do marido ela acaba se deparando com segredos do passado de sua família, fazendo que ela saia da bolha que ela vive e encare o mundo real se questionando sobre todos os aspectos de sua vida. 


Apesar do potencial para ser algo divertido e leve, este livro se mostrou uma leitura arrastada e cansativa (acredito que isso se deva ao capítulos longos). A leitura começa a fluir depois do capitulo 15 (ao todo são 18 capítulos), e ao chegarmos ao final a autora surpreende como a maneira que ela conduz a trama quase nos fazendo esquecer do inicio sofrível

Se a vida é como uma caixa de bombons, então casar-se é escolher um dos bombons e dizer "É isso, pronto", e fechar a tampa. 

Mas tem que ser mesmo para sempre?, é um livro sobre as dificuldades de um relacionamento a dois, mas é também um lembrete de como a vida pode ser imprevisível e como nem sempre é fácil ter que lidar com as consequência desses imprevistos.  É uma história sobre se redescobrir e redescobrir o outro, é sobre a força do amor e da importância da empatia.  Apesar de não ter sido a experiencia que eu imaginava Sophie Kinsella trouxe uma história para se pensar e deixou uma bonita mensagem no final da trama que me fez repensar o livro como um todo. Indico a leitura para os fãs da autora e  para leitores que procuram uma leitura com uma temática mais adulta, mas tratada de uma maneira mais sutil. 




Você pode gostar

0 comentários

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique a vontade para comentar. Obrigada pela visita! Volte sempre.