Vida de Universitário: Ciências Biológicas

by - segunda-feira, novembro 26, 2018


1- Qual seu curso de graduação e qual a instituição você se formou? 

Sou formada em Ciências Biológicas (Licenciatura plena) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

2- O curso que você queria tinha em sua cidade/estado ou você teve que se mudar para outro lugar? Caso você tenha tido que se mudar, como foi para você morar sozinha? 

Felizmente moro num Estado que tem fácil acesso às coisas, então, mesmo estudando em outra cidade, não precisei me mudar para frequentar as aulas regularmente. No entanto, foi um caso de muita persistência me habituar com o trânsito intenso da capital (eu moro na Região Metropolitana e mal sabia andar na capital). Depois descobri que a universidade dispunha de ônibus para levar os alunos até partes da cidade onde era mais fácil pegar meus ônibus para casa, aí ficou mais fácil e mais barato nas contas das passagens do mês. 

3- Antes de escolher esse curso você pesquisou sobre a grade, o mercado de trabalho e o piso salarial? Isso foi um fator que influenciou em sua escolha: 

Não pesquisei, mas eu sempre quis “ser bióloga quando crescesse”. Eu não sabia muito bem o que encontraria no mercado de trabalho, mas meu pai sempre me ensinou a estudar/trabalhar no que me faz feliz e não no que paga mais. Então salário não foi algo que influenciou muito na escolha, até porque o piso de um biólogo não é tão bom quanto a gente gostaria que fosse... =/ 
Com relação à grade, eu sabia mais ou menos o que encontrar, por ter feito pré-vestibular, então os professores falavam mais ou menos o que tinha nos cursos e quais linhas de pesquisa eu poderia seguir. Mas a grade oficial da UNIRIO, quando eu entrei, só era liberada para alunos que acessavam o site com login e senha, então foi meio que uma surpresa saber o que eu teria que enfrentar logo no primeiro semestre... rsrs

4- Quais informações você gostaria de ter tido acesso antes de escolher seu curso e que você acha importante as pessoas terem conhecimento? 

Eu entrei no curso da licenciatura em Ciências Biológicas pensando que só poderia dar aulas em escolas. Hoje eu sei que posso trabalhar com pesquisa, que é o que mais gosto na verdade e onde trabalho atualmente. Mas quando digo que sou licenciada, todos só associam à sala de aula. A sala de aula é importante, mas eu gostaria de saber que minha área de trabalho vai além dela antes de me inscrever no curso. 
Outra coisa que muita gente se assusta quando se inscreve numa universidade pública é que muitos cursos de pesquisa, como Biologia, Medicina, Enfermagem e afins, tem curso integral e bem puxado. Aí muita gente prefere ir para uma particular, pois tem que trabalhar para pagar as contas. 
O que deveria ser mais divulgado é que a universidade pública tem meios de você se manter enquanto estuda: para quem mora mais longe (o que era meu caso), existe uma bolsa de demanda social, que muda de nome dependendo da universidade, mas a finalidade é a mesma: manter o aluno matriculado e garantir que ele possa frequentar as aulas. Para isso, eles têm um programa de estágio com vínculos a vários laboratórios da instituição e você precisa passar por uma burocracia chatinha, mas depois do processo, que na verdade demora uns três meses, você recebe uma bolsa de estudos (sim, você recebe um auxílio financeiro do governo para continuar na universidade). O vínculo que você faz ao laboratório já é seu estágio e, no fim das contas, você tem um trabalho que te dá assunto para o TCC e se manter matriculado até o fim do curso. A bolsa não é muito, normalmente não pode ultrapassar o valor de um salário mínimo, mas já é uma ajuda e tanto para quem não tinha como se manter lá... Depois você pode optar se mantem essa bolsa, que é renovada a cada ano, ou se prefere tentar outra da universidade (sim, as universidades tem várias bolsas de instituições do governo federal/estadual para alunos de graduação, independente da área que siga). Mas as pessoas só sabem disso se conversarem com ex-alunos, pois até mesmo a universidade não te mostra como conseguir os auxílios. 

5- Nos conte um pouco sobre o curso, como é a grade, TCC, estágio, mercado de trabalho e as possibilidades de pós-graduação? 

Bom, apesar de ser da licenciatura, meu curso tem muito pouca diferença com relação ao bacharelado em Ciências Biológicas. Eu faço muitas disciplinas junto com eles, mas tenho disciplinas adicionais da pedagogia. Conforme falei no outro tópico, que a gente tem possibilidade de trabalhar em outras áreas além da sala de aula, nosso leque é um pouco maior que o dos bacharéis, por incluir escolas... mas no fundo fazemos n coisas. A grade da UNIRIO é de biologia geral, então saio sabendo um pouco de tudo, o que é bom, pois facilita na hora de escolher onde quer fazer estágio. Não vou mentir, é bem pesada, mesmo que você curta biologia na escola, não é nada comparado com seus meros livros do terceiro ano... rsrs Imagina que tudo o que você tinha era apenas uma gotinha do que vai ver em todo o oceano do curso de graduação... rsrs Meu curso é diferenciado, não sei ainda se isso é bom ou ruim, mas a UNIRIO é a única universidade do país onde a licenciatura em Ciências Biológicas não tem TCC. Nossa parte “obrigatória” é fazer os estágios na escola (ensinos fundamental e médio), escrever um diário de bordo (que nada mais é um relatório de tudo que você acompanhou dos professores/alunos daquela turma) e no fim, dar uma prova de aula: você escolhe um assunto que seja referente ao PNLD do Ensino Fundamental/Médio e prepara uma aula voltada para aquela turma em específico. Essa prova pode ser dada na escola, ou na própria universidade. As minhas foram na universidade mesmo. E depois é só concluir as disciplinas e partiu formatura... rsrsrs
O mercado de trabalho não é lá essas coisas. Tanto para bacharéis quanto para licenciados, ser biólogo é uma profissão muito complicada num mundo onde só querem sair derrubando tudo e ninguém liga para a natureza. Apesar de parecer o oposto, exatamente por isso, nosso mercado é bem escasso e quando abre concurso, é uma vaga para o país inteiro... Já em escolas, os professores tem certa “vantagem” pelo número de vagas, mas ainda assim não tem espaço para todos... =s
Já a pós-graduação é bem variada. Por termos uma área de pesquisa vasta – podemos trabalhar com médicos, biomédicos, polícia, esportes, zoológicos, reservas florestais, entre tantos outros – acaba que entrar na pós-graduação é mais fácil do que passar no vestibular (acreditem!), mas a pressão é maior, já que as bolsas são maiores fincanceiramente, as responsabilidades aumentam bastante... Eu me formei na UNIRIO e atualmente faço doutorado na UERJ (terminei o mestrado ano passado na mesma instituição). Na mesma instituição pode ter vários programas de pós, cada um com calendário e edital próprios, então você tem mais chances de concorrer, caso sua pesquisa se encaixe em mais de um tema. Além disso, tem alguns editais que são especiais para os alunos de pós que desejam estudar fora. No programa que estudo, tem seleção todo ano para a chamada bolsa-sanduíche, que é uma oportunidade de você conhecer outro país, com financiamento do governo federal. 

6- Expectativa x Realidade. Quais eram suas expectativas sobre o curso? Durante a graduação elas se manterão ou a realidade foi outra?  

Bom, quando entrei na universidade, apesar de não saber muito bem o que um biólogo faria, eu imaginava que teria um emprego num lugar super legal, e que sairia quase um gênio de tanta coisa que ia aprender, tipo aqueles que passam na TV... especialmente por gostar tanto da matéria na escola... Isso não aconteceu... Durante o curso, eu vi que muita coisa que eu gostava de biologia na escola, era um porre quando estudado mais a fundo... E o que eu nunca imaginei que faria na vida, de repente se tornou minha profissão... Apesar de ainda não poder fazer um concurso para trabalhar nela... =/

7- Com a mudança do ensino médio para faculdade existem algumas diferenças, quais foram as mais significativas para você. Aproveite e nos conte como foi seu primeiro dia de aula e quais suas dicas para os calouros?

Fui muito com aquela cabecinha de ensino médio, onde tudo era fácil e eu ia tirar notas boas... Conseguir passar nas disciplinas foi um martírio, não por serem chatas, mas por ser uma universidade forte, os professores cobravam muita coisa da gente e eu sofria para estudar tudo aquilo, ainda mais por ter que manter um CR (Coeficiente de Rendimento) bom para manter a bolsa. Muitas disciplinas que eu amava na escola, passei a odiar quando vi como eram de verdade... rsrs Assim como aconteceu o oposto e vim parar numa área completamente diferente da que eu pensava que seguiria o resto da vida (queria genética e hoje lido com paleontologia, tudo a ver, né? rsrs).
Outra coisa que é esquisito é a liberdade que você tem. Na escola tem um inspetor que te manda entrar em sala. Se você não comparece às aulas, seus pais são comunicados... Na universidade não. As aulas estão ocorrendo e você entra na sala se quiser. Não tem chamada, mas o professor sabe quem apareceu ou não e te reprova por falta. Se você reclamar, problema seu, te vira e estuda sozinho. Ninguém vai te puxar as orelhas se você não fizer um trabalho, mas também você não pode reclamar se reprovar... Acaba sendo um aprendizado e amadurecimento da nossa parte lidar com os compromissos sem ter alguém te cobrando o tempo todo. Exatamente por não ter muita divulgação de certas vantagens na universidade pública, é bom se enturmar com os veteranos. Eles já passaram pelo martírio de muitas descobertas e aprenderam o caminho mais curto de alguns processos internos. Então serão seus grandes amigos quando quiser alguma coisa da universidade. Eles também serão seus aliados na hora de se matricular em disciplinas, normalmente elas são dadas por professores diferentes, em dias/horários distintos. Sempre tem aquele veterano que sofreu na mão de um e não quer que você sofra também.

8- Quais dicas você daria para quem está querendo começar a fazer o mesmo curso que você?

Não vá pensando como eu, que terá um emprego assim que se formar... Tenha na cabeça que a carreira de um biólogo demora a decolar, afinal não basta apenas ter uma graduação. Depois dela, sempre me disseram que só me enxergariam quando eu fosse ao menos mestre em alguma coisa... e é verdade... Então saiba que só vai ter algum dinheiro no bolso depois dos trinta anos (dependendo de quando você prestar o vestibular). Ser biólogo é muito legal, pois podemos lidar com n coisas... dependendo da área que você quiser fazer pesquisa, pode até viajar bastante pelo mundo. Tudo o que você viu na escola não é nem um décimo do que verá na faculdade, então prepare-se para muitas e muitas xerox (pois os livros são super caros e você não usa nem metade deles para a disciplina. Aconselho a comprar somente se quiser seguir aquela área em específico) ou ter um pendrive com muitos gigas para caber todos os pdf’s que vão te mandar... É um curso pesado, tem disciplinas que vão te fazer chorar de desespero, mas tenha paciência... Tem as bem legais que vão te deixar com saudade... Fique ligadx nos currículos dos professores. Existe uma base chamada Plataforma Lattes, que brincamos ser a “rede social do cientista”. Lá tem o currículo detalhado de cada professor que te dá aula... Aconselho a fazer um para você (é chatinha de mexer, mas beeem útil), buscar os nomes deles na base e xeretar as pesquisas que eles fazem... vai que alguma é sua paixão? Além disso, tudo na ciência gira em torno desse bendito Lattes. Então faça logo o seu e mantenha sempre atualizado. Quando for mais na frente, me dará razão por isso... Não tenha medo de falar com o professor, tenha cara de pau e bata na porta do laboratório dele para pedir estágio. A universidade quer que você faça alguma coisa, mas ninguém vai te pegar pela mão e perguntar o que você quer fazer. 
Então tenha coragem e vá preparada para tomar um “não” bem grande... mas pode ser que você receba um “sim” como resposta. Se te ofereceram apenas uma vaga como estagiárix voluntárix, aceite... são os voluntários que normalmente são mais observados pelos professores e quando pinta uma bolsa sem ser a de demanda social, você será um dos primeiros da lista por fazerem as coisas por amor, e não por ter uma grana no fim do mês. Procure as semanas de biologia da sua universidade. Lá você vai ter o primeiro contato com os eventos da área, pode se enturmar com pessoas de outras universidades e até conseguir vínculos profissionais com elas. Se depois de começar o estágio, notar que não era aquilo que você sonhava, não tenha medo de “chutar o balde” e procurar outro laboratório. É na graduação que você tem total liberdade para testar o que gosta e o que detesta... Toda área vai ter algo que vai te dar “ranço”, mas você vai descobrir o que é mais suportável e o que realmente você quer encarar para o resto da vida... também durante seu estágio, você vai ver que tem muitos eventos mais específicos para a área que escolheu. Vá, mesmo que seja como ouvinte... É sua chance de conseguir conhecer lugares lindos, vai ter a experiência de viajar a trabalho, fora que você volta sempre com um aprendizado. =) Ah, e se for caro, a universidade pública costuma dar um apoio, mas tem que ficar de olho nas regras e fazer tudo com muita antecedência... ;)

9- Formei e agora? Como foi para você a reta final do curso e quais foram as principais mudanças que você notou após a formatura? 

Minha reta final foi a do tipo “só quero me formar e dane-se o mundo”, de tão cansada que tava. E é assim para a maior parte das pessoas, por mais que gostem do curso... uma hora todo mundo cansa... rsrs Mas eu notei que cresci bastante depois da universidade. Fiz amizades que nunca irei esquecer, tive apoio de pessoas que jamais pensaria; descobri que era realmente biologia que eu faria se tivesse uma segunda chance... mas nem tudo é fácil assim... Logo depois que me formei, decidi que queria fazer minha pós, então tratei logo de procurar uma que eu gostasse e me inscrevi. Hoje estou no doutorado e ainda estou descobrindo coisas... Acho que mesmo depois de formada, ainda sei pouco; não é culpa do curso nem minha, é coisa da vida mesmo... Ainda na pós você vai ver coisas que lhe são novas... e depois dela também, pois a ciência sempre se renova, sempre muda, e o grande macete é ficar atento às novidades, pois o que você estudou no primeiro período, você vai ver que já mudou algum detalhe no decorrer do curso. 

10- Qual sua dica para quem vai prestar vestibular em breve? Qual foi a estratégia de estudo que você usou e aprovou?

Olha, quando eu entrei na universidade, ouvi muita gente falando que “se não fosse o curso tal eu não teria passado”. Isso é mentira. Eu fiz pré-vestibular comunitário por dois anos, depois resolvi estudar em casa e passei. Meus pais não tinham condição de pagar algo caro, então fiz por onde passar. Não se iluda com pessoas que passaram em primeiro lugar no vestibular, como tem nos outdoors. Eu fui a última pessoa da última lista de chamada, e isso não me fez inferior a ninguém lá dentro. Pelo contrário, encontrei outras pessoas que foram as últimas da última lista, todo mundo sendo aprovado comigo. Assim como os primeiros lugares foram reprovados por não estudarem nada da matéria no semestre... 
Então se aparecerem aquelas pessoas que tem camiseta de tal colégio muito bom, ignore-as e faça sua parte. Sabe como foi que passei no vestibular? Eu simplesmente não me privei da fazer nada do que eu gostava... Sério. Continuei vendo meus programas de TV, continuei lendo os livros que gosto, continuei tendo meus finais de semana e, o mais importante, eu tive meu sono... As pessoas pensam que estudar para vestibular é como ir numa guerra... Não é assim. Relaxe, tire umas horas para estudar, mas não perca seu lazer também... Isso te deixa beeem mais calmx na hora da prova. Outra coisa... fiquem ligados nos últimos acontecimentos dos jornais, eles costumam ser cobrados em prova... Assista alguns desenhos e séries também... Isso nem é considerado lazer, já que algumas questões de biologia da minha prova foram com temas de X-Men por exemplo... rsrs Então no fim ser um pouco “nerd” vai te ajudar nas questões... ;)
E de resto, sejam práticos. Vocês tem um tempo para fazer as questões tranquilamente, então façam o que todos indicam: as mais fáceis resolvam primeiro e reservem tempo para as mais difíceis. Levem um lanchinho, porque pensar dá fome e você não podem sair pra comprar nada. E acima de tudo, tenham fé no que estão fazendo. Acreditem e defendam suas opiniões. Na prova não é estar certo ou errado, é ter confiança no que faz e poder provar seu ponto de vista. =)


Hanna Carolina de Paiva, 29 anos, carioca, bióloga, trilheira, bookahoolic...Blog: Mundinho da Hanna  

Você pode gostar

1 comentários

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique a vontade para comentar. Obrigada pela visita! Volte sempre.