Correria

sábado, novembro 21, 2015

Porta aberta, porta fechada, arrombar a janela. Será que a vida é sobre isso? Oportunidades. Quantas nós deixamos para trás, quantas ainda estão por vir, será que é tarde demais? Para dizer eu aceito, para mim não dá mais, me perdoa, senti saudades, não foi nada demais...

O que fazer com os sonhos na gaveta, as palavras não ditas, uma vida toda a ser construída  que só Deus sabe porque ficou esquecida. Tempo. Eu preciso de tempo. Preciso que ele passe devagar, sentar na cadeira, deitar na grama ou quem sabe me jogar no teu sofá. Não importa, desde que eu consiga respirar. Inspirar, expirar, sentir o ar em meus pulmões, o sangue correndo nas veias, o pulsar do coração. Tic -Tac faz o relógio, o tempo acabou. 

A vida vida chama e não espera quando se é um sonhador. Não tenho tempo para respirar. Correr é tudo que me restou. Correria esta é minha nova rotina. Sai cedo sem desejos de bom dia, chego tarde sem beijos de boa noite. Silêncio. A cama está vazia, não sinto mais o teu perfume, nem a tua risada a preencher a casa. Vazio foi tudo o que restou. Eu corro tanto todos os dias que achei que daria tempo de chegar em casa e ser feliz com você, parar o tempo, fazer nosso tempo. Corri por você, mas acabou que no fim eu corri de você  e me afastei.


A vida tem dessas coisas, quem poderia prever que eu seria a fechar as portas, trancar as janelas. Uma casa vazia, uma cheia e um coração aos pedaços, prazer eu!
Já é noite e o vento me diz que o frio vem chegando e eu torço que com ele você venha também. Que você traga de volta minha calma, o meu sorriso, enfim, sinto falta daquela paz que só encontrei em você. Já é tarde ou será  que é muito cedo? Acho que adormeci e sonhei com você.

Era um dia ensolarado  tão bonito. Você estava cantando aquela música sobre um garoto perdido que buscava se achar, até que ele encontra uma garota e se perde de vez. Eu podia jurar que essa era a nossa canção. Sabe a tanto de nós nela que me pego a cantarolar..

Ainda é cedo e eu me sinto tão bem, tão leve, como se pudesse voar. Então acordo e nada mudou. Não estou livre, não posso voar e a música acabou. Foi apenas um sonho, uma verdade que não se realizou. Eu queria, eu quero, eu vou, mas hoje não. É tarde e eu preciso correr. A vida não espera, assim como você não esperou. Uma porta aberta, duas fechadas. Janelas. Nunca me importei muito com elas até agora.  Acho que vale a pena tentar, é arriscado, mas há uma chance. Se eu não correr tanto talvez o tempo possa parar e eu conserte o que dá para consertar. 

Você Pode Gostar Também

3 comentários

  1. Por um lado, eu tenho anseios de ter essas correrias. De que não sobre tempo.
    Por outro, fico apavorada de não conseguir respirar fundo. A depressão me imobiliza na maioria das coisas mas quando venco-a, faço tudo que foi deixado de lado.
    Ambos os jeitos, são maravilhosos. 8 ou 80, cada um vive como entende de melhor forma de aproveitar.
    | A Bela, não a Fera |
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
  2. Recebo as correrias de braços abertos porque são elas que nos levam para frente revelando quem podemos ser , mais é claro que tem vezes que pensamos " preciso de um tempo " porque nem tudo na vida é flores .
    Gostei do texto *-*

    http://karoline-caro-sonhador.blogspot.com/2015/11/nao-adianta-chorar.html

    ResponderExcluir

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique a vontade para comentar. Obrigada pela visita! Volte sempre.