O Grande babaca

quinta-feira, fevereiro 20, 2014




Daí você está indo pra faculdade, pensando nos problemas que tem que resolver, em quanto tempo tem que você não faz as unhas e que não tem tido tempo pra nada desde que o mundo virou adulto demais. No caminho, alguns caras buzinam pra você e os rapazes da obra na esquina falam algumas bobagens quando você passa. Você se pergunta se a roupa está chamativa, mas é só Jeans e camiseta e, logo em seguida, se repreende, afinal, mesmo que estivesse sedutora você tem o direito de andar em paz. Na última avenida antes de chegar ao seu destino, você observa os carros, pensando em atravessar. A maioria dos veículos está longe, falta apenas um carro passar por você e o caminho estará livre, mas o que você não sabe é que o condutor desse veículo em particular é um grande babaca.
Sabe o GRANDE BABACA? Aquele que acredita que tudo o que ele pensa é tão genial e imprescindível ao mundo, que seria um crime se seus pensamentos fossem guardados só pra ele. Ele TEM que falar. Aquele babaca que desde pequeno passa por cima do direito alheio e ouvia a mãe dizer, cheia de orgulho, que isso é “coisa de menino”. Aquele que o mundo ocidental conhece bem, o homem pardo cristão burguês classe média.  E é esse cara, que desacelera o carro e passa de-va-ga-ri-nho ao seu lado, te dissecando com os olhos, achando que você realmente não pode viver sem saber o que ele tem vontade de fazer com você na cama, te enojando. E vai embora. E já não dá pra atravessar, porque os outros carros o acompanharam. Mas você nem pensa nisso. Tudo o que você sente é revolta.
É bem possível que o babaca tenha esposa, filhas, mãe ou alguma mulher na vida dele com quem ele se importe, mas ele não quer e nem vai reconhecer a violência no que ele fez. Porque ele acredita que só está fazendo seu papel de homem, como antes fazia coisas de menino. Ainda é capaz de se justificar dizendo que se a mulher rebola, se está com o cabelo solto ou mesmo se ela está na rua, é porque quer ouvir esse tipo de coisa. Considera mesmo um elogio, no auge de seu sexismo.

Você continua seu caminho, claro. Mas não sem antes temer a possibilidade de colocar uma menina nesse mundo, ou sem temer a escolha da roupa que você veste ao sair de casa. Você continua seu dia, simplesmente porque o mundo não acolhe a revolta de ninguém. Ele segue. E ele te diz pra ignorar, ele te diz pra se conformar, ele te diz que outras mulheres já passaram por coisas piores, e mais, ele te diz que isso é normal. E você vai seguir também, iniciando o dia com mais esse sapo na garganta, que se junta a muitos outros que você já levou e ainda vai levar por ter nascido mulher.


Você Pode Gostar Também

1 comentários

  1. E ainda tem quem não entenda isso. Ainda tem quem ache bobagem, ainda existem MULHERES que defendem este tipo de pensamento!
    Como se ser chamada de gostosa na rua fosse algum tipo de elogio... Por que ao invés disso não falam: "nossa, como seu cabelo etá bonito" ou "nossa como você é simpática!"... Garanto que dessa forma o babaca atrairia mais mulheres do que o habitual. Afinal, eu nunca vi nenhuma voltar para uma buzinada..

    isabelefarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Olá! Sua opinião é muito importante para nós, fique a vontade para comentar. Obrigada pela visita! Volte sempre.